| | | |

Desenhar cidades ao contrário. Os passeios, as bicicletas e só depois os carros

Uma cidade inteligente não precisa de expulsar os carros – apenas limitar a atividade destes ao estritamente necessário. “Como desenhar um ecossistema urbano seguro para peões, ciclistas e utentes de micro mobilidade”? Começando a desenhar as urbes pelos passeios.

Hoje falamos em cidades inteligentes porque durante demasiado tempo andamos a desenhar cidades estúpidas. Para corrigir erros, é necessário desenhar as cidades ao contrário: dos passeios para as ciclovias e só depois para as faixas rodoviárias, para os carros, que não têm de ser banidos dos centros urbanos, apenas limitados à sua função utilitária. Eis uma conclusão forte do painel “Como desenhar um ecossistema urbano seguro para peões, ciclistas e utentes de micro mobilidade”, na Portugal Mobi Summit.

“Acabámos de aprovar “Velocidade 10″ em toda a zona de plataforma única, onde o tráfego pedonal é maioritário. Não se trata de uma cidade sem carros, mas de uma cidade com carros necessários para que a cidade funcione”, disse Miguel Anxo Fernández Lores, alcaide de Pontevedra, cidade da Galiza que “há 10 anos que não tem nenhum morto por atropelamento automóvel no centro da cidade”.


Publicação original

Para resguardar os direitos autorais da autoria, leia o restante da matéria e acesse os créditos do texto e da imagem/fotografia na publicação original:

Leia também:

Exemplo de Fortaleza: No Recife, a bicicleta ainda é coadjuvante

Quando o assunto é ciclomobilidade, não é necessário sequer mostrar números para evidenciar a distância que separa o Recife, capital pernambucana, de Fortaleza, a capital do Ceará que, mesmo sendo nordestina, trabalha para virar a cidade mais ciclável do País. Basta tentar pedalar pelo Recife que a realidade se escancara. Na cidade, a bicicleta continua continue lendo...…

Leia mais

“Paris limita os carros e reserva mais 50 km de ruas para bicicletas e peões”

“Algumas das artérias mais movimentadas de Paris vão ficar reservadas apenas para ciclistas e peões, numa tentativa de limitar as aglomerações nos transportes públicos quando a França começar a levantar o confinamento provocado pelo novo coronavírus na próxima semana, disse a autarca da cidade. “No total, 50 quilómetros de faixas normalmente usadas por carros serão continue lendo...…

Leia mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *