| | | | |

O mito da responsabilidade compartilhada no trânsito

Por Felipe Alves

Estamos no mês do Maio Amarelo, campanha de segurança viária coordenada entre o poder público e determinados setores da sociedade civil, que nas palavras do próprio movimento tem a proposta de “chamar a atenção da sociedade para o alto índice de mortes e feridos no trânsito em todo o mundo”. Nestas palavras, parece tudo muito bonito, positivo, desejável, mas a campanha tem um sério problema. Apesar de cada ano ter uma nova frase para representar o tema – a atual é “Juntos Salvamos Vidas” – um conceito se repete sempre, o da responsabilidade compartilhada no trânsito.

Este direcionamento quer que cada pessoa – pedestre, ciclista, motorista, motociclista – se sinta igualmente responsável pela segurança viária, e prega pela atenção individual de todos. Pode ter alguma lógica para os mais desavisados, mas quem estuda o assunto sabe que grande parte do viário é destinado aos veículos motorizados, com permissões de andarem em velocidades excessivamente altas, a cada dia com menos fiscalização. Quem se desloca de bicicleta ou a pé sabe dos riscos à própria vida que enfrenta a cada quarteirão ou travessia, enquanto grande parte dos condutores de motorizados só pensa em chegar mais rápido.

Este conceito reforça a falácia da culpabilização da vítima, muito comum até na mídia, ao repercutir que uma pessoa atropelada estava olhando o celular, ou que um ciclista estava sem algum equipamento de segurança (como se existisse algum que salvasse de um atropelamento por um ônibus).

Também retira completamente a responsabilidade do poder público, que não constrói vias seguras para todos, não fiscaliza de forma suficiente e nem pune com o devido rigor quem desrespeita normas de trânsito, colocando os demais em risco.

A campanha não incorpora os conceitos de Visão Zero (falarei sobre numa próxima coluna), tão famosos na segurança viária, baseados em projetar sistemas seguros, onde mesmo com inevitáveis falhas humanas, as mortes e ferimentos graves são evitados. E que comprovadamente funcionam. A solução já está disponível, basta adotar.

 

Felipe Alves é engenheiro civil e atua com mobilidade urbana sustentável. Ex diretor da UCB – União de Ciclistas do Brasil, é coordenador do GT Infraestrutura da UCB e do projeto Ciclomapa (UCB e ITDP).

 

______________________

 

Artigo de Opinião enviado pelo autor para publicação no Observatório da Bicicleta, publicado originalmente em Opinião Direto ao Ponto.

 

 

.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *