| |

Restrições da pandemia aceleram transformações na mobilidade urbana

Em todo o mundo, a situação da pandemia evidenciou inúmeras injustiças urbanas, uma delas: há muito espaço das ruas para carros e pouco para as pessoas. Em São Paulo, por exemplo, apenas 9% das calçadas da cidade têm 4 metros de largura ou mais e nos 17.000 km de vias na cidade há apenas cerca de 468 km de ciclovias (2,7%), e 628 km de corredores ou faixas exclusivas de ônibus (3,7%).


Publicação original

Para resguardar os direitos autorais da autoria, leia o restante da matéria e acesse os créditos do texto e da imagem/fotografia na publicação original:

Leia também:

Malha cicloviária segue em lento crescimento nas cidades brasileiras

A capital brasileira com a maior malha cicloviária é São Paulo: 498,3 km. Em seguida, vêm Brasília, Rio de Janeiro, Fortaleza e Salvador. Na parte de baixo dessa tabela, encontramos Macapá, com apenas 11 km, São Luís e Porto Velho. Esses números representam uma considerável expansão. Os 3291 km de ciclovias das capitais brasileiras somadas são continue lendo...…

Leia mais

“Projetos de ciclovias ganham força na região [do Alto Tietê] em meio à pandemia”

“As cidades do Alto Tietê estudam a implantação de novas ciclovias. De acordo com um levantamento realizado pelo DS, dos dez municípios da região, seis tem projetos para viabilizar novas rotas para os ciclistas. Na cidade de Suzano, a Secretaria de Transporte e Mobilidade Urbana informou que foram identificadas a necessidade de novas ciclofaixas no Plano continue lendo...…

Leia mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *