| | |

Por que as mulheres estão andando de bicicleta em números recordes na cidade de Nova York

Desde que a covid-19 engoliu os Estados Unidos, uma paixão pelo ciclismo tomou conta do país, aumentando as vendas de bicicletas e provocando uma escassez delas.

Em muitas cidades, mas talvez mais notavelmente em Nova York, muito desse crescimento tem sido impulsionado por um aumento no número de mulheres que começaram a andar de bicicleta depois que as ordens de lockdown eliminaram a principal barreira que a pesquisa mostrou que as impedia de pedalar: as ruas que costumam parecer perigosas para os ciclistas.

Em Nova York, houve cerca de 80% mais de uso de bicicleta em julho em comparação com o mesmo mês no ano passado, com o uso de bicicletas por mulheres aumentando 147% e em 68% entre os homens, de acordo com dados do Strava Metro, um aplicativo de rastreamento de mobilidade usado por 68 milhões de pessoas em todo o mundo.

Mas agora o tráfego está aumentando novamente e não está claro se o entusiasmo continuará. Os defensores do ciclismo dizem que a cidade deveria aproveitar o que aconteceu durante o surto e fazer mais para criar uma rede de transporte que priorize a bicicleta como uma forma mais ecológica de se locomover.

Outras grandes cidades dos Estados Unidos, incluindo Washington, Boston, Chicago e Los Angeles, também experimentaram um renascimento do ciclismo impulsionado em grande parte pelas mulheres: o número de ciclistas em cada uma dessas quatro cidades aumentou mais de 80% em agosto em comparação com o mesmo mês no ano passado, enquanto o crescimento no número de ciclistas do sexo masculino foi muito menor.

[… continue a leitura na publicação original]


Publicação original

Para resguardar os direitos autorais da autoria, leia o restante da matéria e acesse os créditos do texto e da imagem/fotografia na publicação original:

Leia também:

Cidade no Pará ensina que uso de bicicletas não é só para lazer ou turismo

Quando buscamos referências de cidades do mundo que são exemplo na mobilidade por bicicleta, encontramos destinos como Amsterdã, Copenhague, Montreal, Floresça, Munique e Nova York, entre outras cidades europeias ou norte-americanas, que sempre trazem a velha e atrasada visão da hegemonia dos países “branco-descendentes” Se nos voltarmos para cidades do Brasil, encontraremos nesse ranking Rio continue lendo...…

Leia mais

“‘A bicicleta pode mudar as cidades’, diz Ana Carboni, da UCB”

“Caminhar e pedalar está sendo a solução de transporte mais adequada para as cidades durante a pandemia do coronavírus. De Londres a Bogotá, de Nova York a Wellington, na Nova Zelândia, cidades ao redor do mundo estão ampliando espaços para o uso da bike durante esta crise mundial de saúde. Na China, primeiro país a continue lendo...…

Leia mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *