Gênero

É necessário consolidar a abordagem de gênero nos estudos e práticas a respeito da ciclomobilidade. Há uma compreensão de que, assim como outras relações sociais de poder, as relações de gênero influem diretamente sobre a mobilidade urbana e, consequentemente, sobre o direito à cidade.


GÊNERO NO CICLOATIVISMO

Diversas organizações da sociedade civil que promovem a ciclomobilidade possuem abordagens específicas e estruturas executivas e administrativas dedicadas.

ORGANIZAÇÕES CICLOATIVISTAS COM ABORDAGEM DE GÊNERO

  • UCB – União de Ciclistas do Brasil: possui GT Gênero e paridade de gênero (mínimo de 50% de mulheres) na estrutura executiva e administrativa regulada pelo seu Estatuto
  • Ciclocidade – São Paulo/SP: possui GT Gênero

ORGANIZAÇÕES CICLOATIVISTAS COM BASE EM GÊNERO 

DESTAQUES NO ACERVO

Contribua com o acervo

Insira conteúdo

Pesquise no Observatório

Pesquise

Notícias relacionadas

Porque falar de gênero e bicicleta? Do Brasil ao Fórum Mundial da Bicicleta no Equador

Não é possível pesquisar mobilidade urbana sem considerar que antes de uma  pesquisa propriamente dita, já debatemos nossos deslocamento na prática do dia-a-dia. Quem nunca reclamou o tempo de espera do transporte público, ou já deixou de fazer algum trajeto por conta da condição de uma calçada ou rua? Quando comecei a pesquisar sobre bicicletas, continue lendo...…

Leia mais
1 2