|

“Caminhada ou uso da bicicleta são opções seguras para trajetos curtos”

“Os dados reforçam essa constatação. O home office tornou-se a única alternativa para 59,9% brasileiros, segundo pesquisa da empresa de monitoramento de mercado Hibou, em parceria com a plataforma de dados Indico. Isso, aliado ao fechamento de comércios e indústrias e ao isolamento social, retirou das ruas metade dos veículos no início da epidemia no país. Só no Distrito Federal, levantamento da Companhia de Planejamento (Codeplan) revela redução de 50% da frota circulante no período de 8 a 29 de março, quando o Executivo local determinou o fechamento da atividade comercial na capital federal.

Apesar de discussões a respeito de legislação serem necessárias para o trabalho remoto, essa nova configuração, forçada em meio à pandemia, levantou aspectos importantes para se pensar a mobilidade urbana. “O home office é possível em determinados níveis, e não precisamos andar tanto de carro como andávamos há um ano. É uma boa lição. Há pesquisa apontando que a maioria das pessoas manterá o hábito do e-commerce e de usar menos o carro. Mas a intenção é uma coisa. Transformar isso em prática, é outra”, pondera o professor do Programa de Pós-Graduação em Transportes pela UnB, Augusto César de Mendonça Brasil [leia o restante da matéria e acesse os créditos do texto e da imagem/fotografia na publicação original].”

______

PUBLICAÇÃO ORIGINAL

Leia também:

Desigualdades de gênero, raça e renda marcam uso do transporte no DF

Essas informações constam no estudo “Como anda Brasília“, da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), a partir dos dados da última Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílio (PDAD), que retrata os perfis do pedestre e de quem utiliza automóvel próprio ou ônibus para deslocamento. O trabalho está disponível na página do órgão na internet. Segundo a continue lendo...…

Leia mais

Com poucos carros circulando nas ruas, poluição diminui consideravelmente

A adoção de medidas restritivas à circulação de pessoas e o fechamento de indústrias e lojas de comércio por causa da pandemia do novo coronavírus provocaram queda vertiginosa da emissão de poluentes em todo o mundo. Em Belo Horizonte não é diferente, segundo dados da Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam). Levantamento feito a pedido continue lendo...…

Leia mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *